Post no 100!

30 09 2009

Um post muito especial, não pelo número mas porque finalmente submeti a minha tese!

Ironicamente comecei este blog mais ou menos quando comecei a escrever a tese. Pelo meio, um mês e qualquer coisa no laboratório, um mês mais em baixo no qual fui muito mimada, muito cinema, muitas series, descobri o mundo da blogosfera e nos “tempos livres” lá ia escrevendo qualquer coisinha, sempre com a sensação de que não conseguia ver o fim…

Mas com a pressão dos prazos, o tempo livre transformou-se em full-time e passei semanas quase sem sair da toca, a exercitar os meus dedinhos sem parar. Muito stress à espera de feedback que demorou mais (muito, muito mais) do que o desejado. Muito choro, muitas gargalhadas sem razão aparente. Foram meses em que a minha sanidade foi posta à prova e esteve perdida. Mas, agora que já foi submetida, só me parece impossível como é que estes meses passaram tão rápido… Já está? E agora?

Ainda falta o exame oral, mas a submissão de uma tese (já aprovada pela orientadora) é mesmo o início do fim. E para mim, o fim de 4 anos que completamente revolucionaram a minha vida.

Aprendi muito cientificamente, mas este doutoramento foi mais uma viagem pelo meu interior do que pela ciência. Aprendi que nunca se pode contar com mais ninguém a não ser com nós próprios. Triste aprendizagem? Não! De modo algum! Comecei este doutoramento com a “certeza” que tinha pessoas/alicerces suficientemente fortes para me apoiar “no matter what”. Mas a verdade é que, quando alguns desses alicerces ruiram, vi-me sozinha e entrei em panico. Durante este doutoramento fui obrigada a redescobrir-me, a aprender a encontrar forças dentro de mim e não depender em mais ninguém. Pode parecer muito trivial, mas a verdade é que sempre tive uma vida recheada de pessoas que me amam e nunca me tinha sentido sozinha no mundo. Nunca o estive realmente, houve sempre alicerces a apoiar-me, mas a queda de um desses obrigou-me a revolucionar o meu pequeno mundo.

E com o fim da tese chega também a certeza de que o consegui. Acabei o doutoramento (eu sei que ainda não está feito, mas a recta final é fácil) com forças vindas de dentro de mim. Quem me conhece pode não me rever nestas palavras, sempre fui apelidada de “extremamente forte”. E sou! A defender os meus direitos, mas principalmente a defender os direitos dos mais desprotegidos e dos que me são mais queridos! Mas a defender as minhas capacidades, a acreditar em mim, nem por isso. Eu sei do que sou capaz, mas como as minhas capacidades sempre foram tão louvadas, nunca desenvolvi a força interior necessária para puxar por mim quando o mundo colapsasse à minha volta. E olhando para trás, foi exactamente isso que aconteceu enquanto fazia a viagem do doutoramento. Fui abaixo mas ergui-me e acabei por não perder muito tempo…  Sim, o doutoramento foi afectado, mas recuperei o tempo que perdi. E quatro anos passaram para, no fim, culminar num pequeno livro, mas sobretudo numa pessoa mais matura, mais forte e com mais fé em si própria!

Agora? Agora estou dormente. Ainda não assimilei completamente que realmente acabou. A universidade estava hoje cheia de alunos acabados de chegar, cheios de sonhos, prespectivas e ambições. “Há quatro anos era eu” pensei, com um sorriso nos lábios. E é com esse sorriso, salgado com lágrimas saudosas que já começam a cair, que encerro este post no. 100.

Anúncios

Acções

Information

6 responses

21 07 2010
Ainda o PhD « A Nomad's Soul

[…] 07 2010 No passado fim de semana fui receber o meu diploma de doutoramento. Quase um ano depois da submissão, da defesa, de já ter sido aprovado pelo Senado e já ter o certificado há uns meses, decidi ir […]

5 10 2009
Verónica

Queria escrever aqui aquilo que também sinto em relação ao “crescer” que quase somos forçados a passar no pós faculdade. As perguntas que se nos colocam são muitas e quando pensamos já ter a certeza de quem somos e o que queremos fazer, uma nova realidade aparece e somos postos à prova.
Muito haveria para dizer, mas agora apetece-me mais gritar bem alto: PARABÉNS Clara! Pot tudo o que conseguiste alcançar! E agora? Agora give it a rest for a while! Terás tempo para abraçar novos desafios. Descansa um pouquinho 😉
Beijinhos grandes*** (Até ao Natal?)

5 10 2009
Nomad soul

Meu amori, nos meus agradecimentos o “nosso Natal” teve uma mencao honrosa! 😉

Vou seguir o teu conselho e descansar um poquichito enquanto mando uns curriculos 😉

Beijinhos and we’ll always have Christmas! 😉

4 10 2009
Claratje

Acho que os doutoramentos tem esta coisa de nos testarem até ao limite! Mas tu foste testada e resististe!!! Muitos parabéns pela entrega do documento e agora só fica a faltar a tortura final 😉
Pois a sensação de o “e agora”, “foi isto”, “então já acabou?”; mas em breve vais encontrar o teu caminho e seja por ai ou por outras terras vais enfrentar novos desafios e novas descobertas e vais sorrir outra vez e apagar da memória este dificil ano de escrita 😀

5 10 2009
Nomad soul

Obrigado pelas palavras! Um beijinho grande para Paris!

30 09 2009
mana

Foste/és uma heroína.Conseguiste ser forte,tenaz e descobriste a riqueza imensa que tens dentro de ti.Esta etapa foi muito vivida,intensamente vivida e sentida e agora as lágrimas são de alegria e já de saudade…Claro que Leicester e a sua Universidade te ficam no coração como um marco muito importante.Estás de parabéns.Beijocas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: